ConectadosNoAxe » Veja as » Últimas Atualizações que ocorreram no decorrer do tempo:
  • [ 05/09/2018 ] [Criação] - Criação do Novo template, novas atualizações No Site Da ConectadosNoAxe.
A lista está sendo atualizada frequentemente pelos Administradores sem aviso prévio, então fiquem atentos.
Desde De ja a Equipe da Conectados No Axe Agradece nossos membros > ATT: Alexandre Cristian.
Lista de usuários OLD ( banidos permanente ) - Segue a baixo todos os usuários que estão banidos:
  • Horário
  • Data
  • Quem Baniu?
  • Usuário Banido
  • ID no Chat
  • Motivo
  • 00:00
  • 00/00/0000
  • quem baniu
  • Nome do Banido
  • id no xat
  • Motivo
N/A: Não foi identificado nome no motivo do banimento.
S/M: Não foi inserido motivo do usuário ter sido banido.
S/R: Não consta o registro do usuário no events.
E/H: Não foi possível olvidar o horário do banimento.
E/D: Não foi possível olvidar a data do banimento.
(events): Foi visualizado pelo events ( No caso colocamos isto para identificar que quem esta atualizando a lista não estava presente e não sabe o nome ou motivo do mesmo ).

A lista está sendo atualizada frequentemente pelos Administradores sem aviso prévio, então fiquem atentos.
STAFF: Para adicionar um usuário a esta lista basta ir em: Painel da Equipe > Adicionar Banido.
Atualizações atualizado 27/10/2018

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Nanã

Nàná Burukù
Aspectos Gerais
  • Dia: sábado
  • Data: 26 de Junho
  • Metal: Latão
  • Cores: Branco e azul (preto ou roxo)
  • Comidas: Aberém, mugunzá, mostarda e taioba
  • Símbolos: Ibiri e bradjá
  • Elementos: Águas paradas e lamacentas
  • Região da África: Ex-Daomé
  • Pedra: Ametista
  • Folhas: Folha-da-costa, folha de mostarda, manacá, ojú oro, oxibatá, papoula roxa, quarana
  • Odu que Rege: Odilobá
  • Domínios: Vida e morte, saúde e maternidade
  • Saudação: Salúba!



Origem e História

Nanã, a deusa dos mistérios, é uma divindade de origem simultânea à criação do mundo, pois quando Odudua separou a água parada, que já existia, e liberou do “saco da criação” a terra, no ponto de contato desses dois elementos formou-se a lama dos pântanos, local onde se encontram os maiores fundamentos de Nana. Senhora de muitos búzios, Nana sintetiza em si morte, fecundidade e riqueza. Seu nome designa pessoas idosas e respeitáveis e, para os povos jeje, da região do antigo Daomé, significa “mãe”. Nessa região, onde hoje se encontra a República do Benin, Nana é muitas vezes considerada a dinvidade suprema e talvez por essa razão seja freqüentemente descrita como um orixá masculino.
Em algumas regiões da África, Nana é conhecida como Inie e sua autoridade é ressaltada em um belo Oriki:

Para o alto não podemos subir,
Do alto escorregamos.
De volta pra casa,
Não falar (do que viu).
Vamos celebrar a festa do ano.
O proprietário da casa esta em casa,
O estranho pede caminho,
Se Inie me dá, eu tomo.
Se Inie recusa, eu não peço.

Sendo a mais antiga das divindades das águas, ela representa a memória ancestral de nosso povo: é a mãe antiga (Iyá Agbà) por excelência. É mãe dos orixás Iroko, Obaluaiê e Oxumaré, mas por ser a deusa mais velha do candomblé é respeitada como mãe por todos os outros orixás.

A vida está cercada de mistérios que ao longo da História atormentam o ser humano. Porém, quando ainda na Pré-História, o homem se viu diante do mistério da morte, em seu âmago irrompeu um sentimento ambíguo. Os mitos aliviavam essa dor e a razão apontava para aquilo que era certo em seu destino.
A morte faz surgir no homem os primeiros sentimentos religiosos, e nesse momento Nana se faz compreender, pois nos primórdios da História os mortos eram enterrados em posição fetal, remetendo a uma idéia de nascimento ou renascimento. O homem primitivo entendeu que a morte e a vida caminham juntas, entendeu os mistérios de Nana.

Nana é o princípio, o meio e o fim; o nascimento, a vida e a morte.
Ela é a origem e o poder. Entender Nana e entender o destino, a vida e a trajetória do homem sobre a terra, pois Nana é a História. Nana é água parada, água da vida e da morte.

Nana é o começo porque Nanã é o barro e o barro é a vida. Nana é a dona do axé por ser o orixá que dá a vida e a sobrevivência, a senhora dos ibás (que deveriam ser de barro) que permite o nascimento dos deuses (no barro dos ibás) e dos homens.

Nana pode ser a lembrança angustiante da morte na vida do ser humano, mas apenas para aqueles que encaram esse final como algo negativo, como um fardo extremamente pesado que todo ser carrega desde o seu nascimento. Na verdade, apenas as pessoas que têm o coração repleto de maldade e dedicam a vida a prejudicar o próximo preocupam-se com isso. Aqueles que praticam boas ações vivem preocupados com o seu próprio bem, com sua elevação espiritual, e desejam ao próximo o mesmo que pra si, só esperam da vida dias cada vez melhores e têm a morte como algo natural e inevitável. A sua certeza é a imortalidade de sua essência.

Nana, a mãe maior, é a luz que nos guia, nosso cotidiano. Conhecer a própria vida e o próprio destino é conhecer Nana, pois os fundamentos dos orixás e do Candomblé estão ligados à vida. A nossa vida é o nosso orixá.
Nana Buruku foi a primeira esposa de Oxalá, mas perdeu o seu grande amor para Iemanjá.

Muito sábia Nana era considerada por todos a guardiã da justiça. Era de fato juíza, as pessoas, especialmente as mulheres, costumavam queixar-se a ela, que fazia os julgamentos e aplicava os castigos. A coruja, animal que representa a sabedoria, pertence a Nana.
O que surpreendia nas sentenças de Nana é que ela só castigava os homens. Havia um jardim criado por ela especialmente para abrigar os eguns ---era o país da morte. Os maridos faltosos eram amarrados em uma das árvores. Nana convocava os eguns para assustá-los e, quando o pavor era insuportável, eles eram soltos.

Nana não vira na cabeça de homem, aliás, Nana abomina a figura masculina, pois o homem, através do esperma, líquido que é símbolo de Oxalá, semeia o óvulo e gera uma nova vida. Nana é a morte que reside no âmago da vida, que possibilita o renascimento. A vida e tudo que a representa ---o esperma (homem) e o sangue ---são considerados tabus para Nanã.
É na morte, condição para o renascimento e para a fecundidade, que se encontram os mistérios de Nana. Respeitada e temida, Nana, deusa das chuvas, da lama, da terra, juíza que castiga os homens faltosos, é a morte na essência da vida.

Arquétipo dos Filhos de Nanã


Os filhos de Nana são pessoas extremamente calmas, tão lentas no cumprimento de suas tarefas que chegam a irritar. Agem com benevolência, dignidade e gentileza. As pessoas de Nana parecem ter a eternidade à sua frente para acabar seus afazeres, gostam de crianças e educam-nas com excesso de doçura e mansidão, assim como as avós. São pessoas que no modo de agir e até fisicamente aparentam mais idade.Podem apresentar precocemente problemas de idade, como tendência a viver no passado, de recordações, apresentar infecções reumáticas e problemas nas articulações em geral.As pessoas de Nana podem ser teimosas e ranzinzas, daquelas que guardam por longo tempo um rancor ou adiam uma decisão. Porém agem com segurança e majestade. Suas reações bem equilibradas e a pertinência de suas decisões as mantêm sempre no caminho da sabedoria e da justiça.Embora se atribua a Nana um caráter implacável, seus filhos têm grande capacidade de perdoar, principalmente as pessoas que amam. São pessoas bondosas, decididas, simpáticas, mas principalmente respeitáveis, um comportamento digno da Grande Deusa do Daomé.

Curta e Comente essa postagem , caso tenha alguma duvida entre em contato com a nossa equipe : conectadosnoaxe@gmail.com nossa equipe agradece a todos nossos leitores por serem fieis .


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor ao comentar não use palavras inapropriadas, pois o blog não aceitará tal ato att: Conectados no axe